Minutos de Silêncio


É difícil explicar o que sentimos quando gostamos de algo e de quando participamos de certos momentos únicos na vida. Parece estranho, mas acontece com todo mundo, de repente começar a gostar de alguma música, filme, roupa e até time de futebol que antes nem imaginava que chegaria perto.

Isto aconteceu comigo. Sempre tive uma leve simpatia por futebol, mas é claro, não deixaria de sair de casa para assistir um jogo. Herdei o Vasco da Gama da minha mãe, fã de futebol e outros esportes, como Fórmula 1. Torcia, gritava e até chorava nas finais emocionantes. Mas, era tudo bastante distante, pois o time é do Rio de Janeiro.

Em 2005, tive a oportunidade de assistir um jogo de futebol, Figueirense X Coritiba, em Florianópolis. Dá um friozinho na barriga, aquele medo de presenciar briga, geralmente visto pela TV. Mas, que nada. Chegamos no estádio e fiquei observando tudo, as músicas, rivalidade, a beleza do futebol e á claro, tentando entrar no clima.

Após este jogo, começou a vontade de conhecer um estádio maior e assim surgiu a oportunidade de conhecer o Couto Pereira, estádio do Coritiba. Não lembro contra qual time o Coxa estava jogando, mas sei que foi pura emoção. E que levei sorte, pois lembro que o time ganhou ou empatou. Além disso, me senti em casa, logo já xinguei o juiz, virei técnica tentando arrumar o time e assim por diante.

Foi uma experiência inesquecível, quando saiu o gol, gritos, alvoroço, abraços e sorrisos. Parece que o coração pára, em minutos de silêncio e os sentimentos explodem. Assim, despertou o amor pelo Coritiba. Em todos os jogos, guardo recordações de estar presente em mais uma partida. O último jogo que pude ir, o Coxa empatou jogando contra o Paraná

Depois do dia agitado, de ter conhecido a nova churrascaria do clube e de ter assistido mais uma partida do Coxa, tive a oportunidade de ver um maravilhoso arco-íris, fazendo a curva no Alto da Glória. Pequenos minutos na vida que contam por uma vida inteira. Não posso deixar de falar do grande pivô, responsável por despertar este amor, o Coxa Branca Felipe Braz Costa.



Comentários

f/costa disse…
Irado o teu texto Josie, fiquei de cara mesmo.

O teu primeiro jogo foi Coxa x J.Maluceli (acho que era Malutron ainda o nome do time). O Coxa ganhou de 4 a 1.

Fiquei impressionado contigo aquele dia, não sabia qual seria a sua reação a hora que conhecesse o Alto da Glória, percebo que foi algo muito forte pra você, que bom.

Fico muito feliz por você viver também esse amor, mas quero lembrar que a 1ª COXA BRANCA da sua família não foi você, foi a Gabriela, sua sbrinha que com apenas 3 anos de idade já falava que o seu time era o "CEBOLÃO", hehehehehe...


bjos
Thiene B. disse…
Entendo perfeitamente! Sofro e sofro pelo meu Botafogo, mas continuo apaixonada!
RaphaRoots disse…
o Coritiba tem uma torcida apaixona, é difícil aceitar a atua situação que atravessa esse time. Mais a esperança se renova ao ver cada torcedor que por esse time enfrenta sol e chuva, gasta o que pode e o que nao pode, luta e canta alto. Parabéns Josie, o Coxa ganha muito com você.

Postagens mais visitadas