Agora é a hora de separar os tomates

Ontem, o povo brasileiro parou para receber o Papa Bento XVI. É claro que, muitas pessoas, eu por exemplo, continue trabalhando normalmente, como faço todos os dias. Mas, milhares de pessoas viajaram para São Paulo, para ouvir e ver o papa. Até aí, tudo bem, pois cada um faz o que quer para sua vida.

O principal vem depois, ou melhor, antes. Enquanto o Brasil estava na expectativa da chegada do papa, os homens do planalto colocavam a cabeça para funcionar. Imagino-os conversando “Vamos esperar o papa chegar, enquanto os olhos da mídia e do povo estão voltados à visita, é a hora de nós agirmos”. Claro, eles devem ter falado coisas piores que isso.

Ontem recebi a notícia de que a câmara estava votando para o aumento dos próprios salários e dos “parceiros” de “trabalho”. Bom, de acordo com o portal G1, o aumento custará R$ 600 milhões por ano. Isso poderia ser milhões de crianças nas escolas, reforma no sistema prisional, projetos para melhoria de vida do povo brasileiro e muito mais.

Ainda não foi confirmado o aumento, pois a decisão precisa passar pelo Senado, que dificilmente, irá vetar. Congressistas, presidente e ministros receberão reajuste de 28,5%. Incrível. Quando você recebeu este reajuste?

Agora, fique por dentro dos aumentos:

O salário dos parlamentares vai subir para R$ 16,5 mil.

O presidente da República irá receber R$ 11,4 mil por mês.

O vice-presidente e os ministros passam a ganhar R$ 10,7 mil.

Houve até um ministro, chamado Waldir Pires, que há pouco tempo reclamou do salário, falando a seguinte frase: “Quando um ministro termina de pagar as coisas que decorrem do fato de ser ministro fica com R$ 4 mil ou R$ 5 mil. Não tem sentido. Um gerente qualquer tem um salário melhor que um ministro”.

É de partir o coração! Enquanto um pai ou mãe sustenta a família com R$ 380. Sem falar que, as famílias brasileiras não recebem ajudas de custo...

Veja isso:

Além do salário mensal de R$ 12.847,00, um deputado recebe um décimo terceiro salário, além de R$ 15 mil de verba indenizatória (para pagar escritório político onde foi eleito, combustível, jantares, viagens, entre outras coisas), R$ 3 mil de auxílio-moradia, R$ 50.815,00 de verba de gabinete para contratar funcionários, R$ 4.268,00 para telefones e correios, e mais dois salários de R$ 12.847,00, um no início do ano e outro no final, como ajuda de custo.

E agora? Pergunto, o que nós, jovens brasileiros que não paramos a nossa rotina por causa da visita do papa, podemos fazer? Sim, podemos fazer alguma coisa, podemos espalhar isso pela internet, reunir amigos para conversar e sim protestar. A união pode trazer a transformação e fazer a diferença.

Além disso, alguns recebem 14º e 15º salário.

Comentários

dän disse…
aiai... o papa veio, agora ele vai... e eu aqui pobre. hahahaha
f/costa disse…
Não há mais esperança para esse país, infelizmente.
Eita Josie! Eu tenho gmail sim, só tava enchendo o saco um pouco.

Postagens mais visitadas